14 de agosto de 2011

Pain



E daí que você não sabe mais o porquê de nada em sua vida, o chão sumiu, tudo cheira a flores ácidas e não há mais tempo pra dizer tudo, tanto, todas as palavras do mundo. Quando a gente perde alguém não há nada que possa frear lágrimas, gerar sorrisos ou descer pela garganta.

Esse dia chega para todos e a sua vontande de viver se esvai no ritmo das canções entoadas no velório. É triste, é cortante, rasga, fere e maltrata.

E você está tão afogado em dor que duvida da única pessoa capaz de te dar colo: Deus.

Não vou te julgar, nem lhe dizer o que fazer, só posso esperar...

Esperar você querer o abraço,

Esperar você lembrar quem és,

Esperar seus ouvidos se acalmarem,

Seu coração desritmar.


A vida não é assim sempre, mas como as rosas, ficamos mais fortes após podados. Não pense que foi só porque Deus quis, ou que a vida dificultou e você não pôde resolver...

Essas coisas só farão ecos em sua dor, cegarão a verdade mais sublime que está aí dentro...

Se você é essa pessoa incrível e capaz de amar, é por conta em grande parte da pessoa que a vida lhe tirou. Honre o que ela foi para você sendo você!

A dor não vai cessar, não é verdade que passa, você que administra melhor sua intensidade.

A vida está aí, você tem filhos a gerar, sorrisos para oferecer e erros a cometer, vamos em frente!!

O abraço, vai estar aqui, ever!

3 comentários:

Aninha disse...

Como sempre... lindo... mais intenso que o normal...mas muito bonito!! =)

Walisson Lopes Barreto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Walisson Lopes Barreto disse...

A autoria da vida, escrita, editada toda pelo Criador, chega a um ponto final (mas não significa que o texto acabou). Vida, poesia escrita com amor, dor, alegria e sangue. Saudade que marca a ferro nossa alma, que desafia a crer no ilimitado poder da vida, da vida que vence a própria morte. É interessante notar que ao viver a morte é inevitável não fazer referência à força da vida...