12 de setembro de 2010

Lágrimas.


De onde tirar forças quando a fonte das minhas forças parece me testar?
Como esvai esse medo e essa agonia contantes em meu peito?
Pra que tudo isso?
Por que tem de ser assim?
Aonde foi parar meu alicerce?
Que meios sanam minhas lágrimas?
Não há mais garra pra perder de novo!
Todas minhas lágrimas secaram e as novas se alojam em minha garganta.
Torpe é meu falar.
Inábeis minhas armas.
Não saber me machuca demais.
Como esperar com calma?
Como acreditar?
''Espera no Senhor, mesmo que suas promessas demorem a se cumprir e a vontade Dele seja sacrifício para ti''
Juro que eu estou tentando.

4 comentários:

Walisson Lopes Barreto disse...

A subtileza de ser o primeiro a comentar e a crueza de ser o último a dar-lhe uma resposta que repouse como abraço, sorriso e consolo a ti, ó mulher. Tua solidão em embate, teu caminho e tua verdade, são seus, apenas seus. Identidade sendo formada, humanidade em decisão de ser amada, divindade rasgada em todos os sentidos para ser vivida. O questionamento é sempre válido pois é sua força maior.

Ser mulher, ser filha, ser amiga, ser humana, ser aquela que chora, ser o que és e nada mais!

Abraços...

Fernando disse...

Não me assusta!

Diego disse...

Me fala quem ta fazendo vc chorarqei vo socar esse fdp hoje ainda

Nêga!!! disse...

Walli: é amigo... tá TENSO!

nANDO: TÁ PASSANDO, NÃO SE ASSUSTE!

Diego: hahahah ai Diego só vc.... :D