19 de setembro de 2011

Wickedness.


O ar volta a passear nos pulmões sem arrancar parte de sua força.Minhas vontades voltam a gritar sacudindo minhas veias sem me soltar. As lembranças mas cruéis são aquelas que estão sempre a espreita esperando eu cochilar.
Quando desisto de te deletar, quando insisto em te observar, é aí que mora meu desejo, se esconde minha razão, começa meu desespero e se perde minha noção.
Te arrancar daqui de dentro e desejar apagar tudo, refazer seus erros e te lançar no vazio do meu esquecimento.
Mas não posso, não me controlo e te olho de longe, te guardo em constantes memórias e não quero acreditar que mesmo com tanta maldade você ainda pode ter o melhor de mim.

5 comentários:

Raffs disse...

"Há males que vem para o bem..." - talvez essa frase caiba. Talvez o mal não seja tão mal assim....

Nêga!!! disse...

haha mas quer ser Mal certamente, kkkkk concordo amiga! Não luto contra não, to no ritmo.... :***

Aninha disse...

esse é de quebrar as pernas... maldade quase me fazer chorar no começo da semana... =)
=*

Walisson Lopes Barreto disse...

Não existe mal aqui, existe luta, existe apenas o sabor da vida, o sabor de um amor sólido como a consciência...

Nêga!!! disse...

Brigada lindos!