12 de agosto de 2010

Deleite.


Como alguém pode sentir saudade de algo que nunca teve?
De alguém que nunca esteve e de uma voz que mal ouviu?
Como conviver com tal ausência presumida?
As vezes tento apenas não me perguntar sobre.
Os dias passando tão rápido,
voando sem curvas.
Não quero deixar que tudo que ainda é quase nada escape por entre os dedos... ou se embole numa comunicação insuficiente.
Eu que sempre fui tão intensa( e não se iluda, ainda o sou)
tenho me acalmado com suas palavras, tenho desejado achá-las diariamente, ainda que por hora só possa vê-las sem escutá-las.
Acalmado, refletido e tropeçado nelas durante meus dias, visto que permeiam meu ser, causam risadas ridículas e agradáveis durante o meu dia e me deixem mais ansiosa pra que se reproduzam hediondamente.
É... fazia tempo que eu não me importava tanto.
Se eu estou encantada? Ora, não seja tolo, este estágio já passou, estou viciada, é vi-ci-a-da! Palavra feia né? é que um viciado não tem limites, nem hora, nem prioridade que sobrepasse seu vício, lhe causa alegria, prazer e contentamento!
Depende intrisecamente dos meios que o levam a satisfação,viciada :D
Rsrsrssr ok, ok, foi meio pesado, mas foi o que me veio a priori a mente, sem maldade alguma.
Me encanta o modo como podes me ver mais que a mim, e me inebria a sede que geras em mim de ti. Vontade sem desespero, pura, doce e fiel vontade, que cheira a novo e traz recortes de sensações boas. Sim, eu tô misturando sim neologismos+ rebuscamento+ tudo que ainda é coloquial.
Mas, mesmo assim tão tropeçante, vacilante e desengonçada, nossa história vai se fazendo, na espera, na constância, no desejo e na alegria de saber que o principal e digno de euforia já aconteceu: Conhecemos nossa existência!

4 comentários:

Diego disse...

Gênia sempre.

Walisson Lopes Barreto disse...

Fito suas palavras e ao mesmo tempo imagino um duelo, estilo faroeste, digno de Sergio Leone na direção e Ennio Morricone na trilha sonora. Olhos imersos no alvo a frente, movimentos mais que calculados e frisson, muito frisson, numa intensidade inimaginável entre a vida e a morte. Ou seja, quem apertar o gatilho primeiro sairá vivo!

Duas realidades me vem a mente diante deste duelo imperdível: a primeira - corrija-me se estiver errado, por favor! - você não tem mais medo de perder, já superara esta fase, descobriste um sentido inteligente de nutrir a coragem para avançar e apertar com rapidez e precisão o gatilho; a segunda, consequência da primeira, é a postura... áh, coitado do seu adversário... não saberá nem como nem quando você o atingiu, tamanha rapidez e atitude no fazê-lo.

Logo, neste duelo tu tens tuas vantagens...

Me diga, viciada na vida, como é está neste duelo de vida e morte?

Sim, "os dias vão passando tão rápido, voando sem curvas...", tens razão!

Abraços

Diana disse...

Você só não leva essa se o cara for um boçal ! comcerteza

Nêga!!! disse...

Diego: rsrsrsrsrsr brigadinhaaa!

Walisson: Tudo isso tem mesmo me consumido, mesmo na minha correria e sim causado frisson :D é vc acertou... eu não tenho medo de perder, nenhum, :D bom saber que tenho cá minhas vantagens rsrs O duelo está bom, visto que é intenso, como eu :D bjokas

Di:Se for da vontade de DEUS simmmmmm!